ElShamah - Reason & Science: Defending ID and the Christian Worldview
Would you like to react to this message? Create an account in a few clicks or log in to continue.
ElShamah - Reason & Science: Defending ID and the Christian Worldview

Otangelo Grasso: This is my library, where I collect information and present arguments developed by myself that lead, in my view, to the Christian faith, creationism, and Intelligent Design as the best explanation for the origin of the physical world.


You are not connected. Please login or register

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo, corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica

Go to page : Previous  1, 2

Go down  Message [Page 2 of 2]

Otangelo


Admin

Sobre o autor

Otangelo Grasso é um suíço-italiano nascido em 1966 perto de Zurique, na Suíça. Ele começou sua carreira profissional como aprendiz de projetista de máquinas após concluir com sucesso seus estudos em 1986. Trabalhando na profissão por vários anos, ele aprimorou suas habilidades e adquiriu uma experiência valiosa antes de se mudar para o Brasil na década de 1990. Eventualmente, ele se estabeleceu em Aracaju, Nordeste do Brasil, onde atualmente reside como um incorporador imobiliário de sucesso.

Fluente em alemão, italiano, português e inglês, Otangelo Grasso também adquiriu um conhecimento limitado de espanhol e francês. Ele é casado com Leila e tem uma filha, Larissa, de nove anos. Otangelo é um cristão evangélico devoto desde 1984. Como apologista, criacionista da Terra jovem e proponente do Design Inteligente, ele escreveu e falou extensivamente sobre o assunto.

Otangelo Grasso publicou um livro em português sobre física e astronomia. Seu último livro, "On the Origin of Life and Virus World by Means of an Intelligent Designer: The Factory Maker, Paley's Watchmaker Argument 2.0", foi lançado no ano passado. Ele também publicou livros em dois volumes, "Confirmando Yeshua", corroborando a historicidade e a identidade bíblica de Jesus Cristo.

Otangelo escreveu artigos para o Discovery Institute e Uncommon Descent, um site que atende a comunidade de design inteligente.

Otangelo Grasso se envolveu em muitos debates com ateus ao longo dos anos, mostrando seu profundo conhecimento e fé inabalável. Ele dirige uma biblioteca virtual, "Defender a cosmovisão cristã, o criacionismo e o design inteligente", onde compartilha informações relacionadas ao design inteligente, a cosmovisão cristã e vários tópicos relacionados às origens. Otangelo também dirige um canal no YouTube, "The God Talk", onde discute suas ideias e crenças com seu público.

Para os interessados em saber mais sobre Otangelo Grasso, um resumo de suas atividades e debates anteriores pode ser acessado no site "Razão e Ciência". É fácil ver por que Otangelo Grasso é considerado uma voz importante no debate sobre design inteligente e apologética, e seu trabalho continua a inspirar e informar pessoas em todo o mundo.

A conversa de Deus: https://www.youtube.com/@thegodtalk8217
Uma visão geral de suas atividades e debates anteriores pode ser acessada aqui: Quem é Otangelo Grasso: https://reasonandscience.catsboard.com/t2273-who-is-otangelo-grasso

https://reasonandscience.catsboard.com

Otangelo


Admin

Entrevistando Giulio Fanti: I misteri della Sindone 15 de março de 2018
Entrevistador: Professor Fanti, você estuda o Sudário de Turim há muito tempo. O que despertou seu interesse neste tema?
Fanti: Bem, eu tenho estudado isso por cerca de 20 anos, mas meu interesse na verdade remonta a quando eu era criança. Fui convidado para ver algo relacionado ao Sudário durante uma viagem que fiz a Turim, e foi aí que tudo começou. No entanto, o ponto de partida real foi na década de 1990, quando comecei a ensinar meus alunos sobre medições mecânicas e térmicas, bem como sistemas de processamento de imagem. Foi então que pensei em estudar o Sudário mais profundamente usando essas novas técnicas. Assisti a uma conferência sobre o Sudário em Nice e, desde então, tenho recebido muito material bibliográfico e muito mais, mesmo sem pedir. Ainda hoje, não consigo parar de estudá-lo.
Entrevistador: O Sudário é um dos tecidos mais estudados no mundo ao longo dos séculos e atraiu a devoção de muitas pessoas. No entanto, existem muitas controvérsias científicas em torno dele, começando com sua datação.
Fanti: Devo dizer que, na minha opinião, este é o único tecido que foi estudado tão minuciosamente do ponto de vista científico. Existem dezenas e dezenas de publicações científicas sobre o Sudário a nível internacional, o que não acontece com outras relíquias. Isso já mostra um interesse considerável de cientistas crentes e não crentes. Mas por que isso? Especialmente porque a imagem no Sudário ainda não é reproduzível nem explicável cientificamente.
Entrevistador: E isso significa que, por exemplo, não podemos dizer do que é feita a imagem ou como ela foi produzida.
Fanti: Podemos dizer algo sobre isso porque o Sudário é um objeto que pode ser tocado, estudado e analisado em detalhes. Conseqüentemente, podemos ver em que consiste essa imagem.
Entrevistador: Essa imagem não é produzida por pigmentos, então não é pintada.
Fanti: Claro que não. Deixe-me divagar por um momento. Se alguém pensa que foi feito por um pintor, só me faz rir. Digo isso oficialmente, e também quero desafiar quem pensa o contrário porque não pode ser uma pintura ou obra de um artista. Além disso, ainda hoje não podemos reproduzi-lo em um laboratório altamente especializado. Então, como um artista poderia conseguir isso?
A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 99999910
Mas o interessante é que não há pigmentos, e a coloração que vemos é uma coloração ligada a uma alteração química. A celulose e o linho que compõem esse tecido tiveram uma reação química bem selecionada, ponto a ponto, que produziu essas tonalidades da imagem. A reação química é a oxidação e desidratação do linho, mas o interessante é que podemos criar um modelo detalhado. Imagine remover um fio colorido do Sudário e ampliá-lo cerca de 100-200 vezes, e temos este modelo aqui, representando um fio de linho ampliado. Vemos os canudos, cada canudo é uma fibra de linho com cerca de 20 micrômetros de diâmetro. Então a imagem das fibras é uma imagem extremamente superficial, se olharmos em corte, vemos que todo o fio é composto por fibras não coloridas, e vemos apenas fibras coloridas de um lado. Mas há mais; a fibra única é colorida uniformemente ao longo da circunferência, mas existem fibras coloridas ao lado das não coloridas. Pense no que um pintor hipotético teria que fazer para conseguir isso.
Entrevistador: "Seria impossível pensar"
Fanti: "Seria preciso pegar um pincel com uma única cerda mais fina que uma única fibra. Eles deveriam mergulhá-lo não na cor, porque não há cor, mas no ácido que é transparente. Eles deveriam pintar os milhões de fibras uma a uma um com a lente, obviamente com um microscópio, mas também devem ir para trás com o pincel sem tocar nas fibras adjacentes que não são coloridas.
Entrevistador: E isso já nos ajuda a compreender um dos aspectos excepcionais do Sudário. Ela produziu muitas publicações científicas. O mais recente é um pequeno livreto recém-lançado intitulado "The Shroud Treasure". Eu li aqui que o Sudário é o quinto Evangelho da Paixão, como Lindner o definiu. O que isto significa? O que isso nos diz sobre esse homem, o Sudário?
Fanti: "Portanto, de um ponto de vista estritamente científico, vemos uma imagem de corpo duplo de um homem. Portanto, podemos deduzir cientificamente que o Sudário certamente envolvia um cadáver, mas não encontramos o nome desse cadáver. E mesmo se se houvesse esse nome, poderia tê-lo escrito mais tarde. Portanto, do ponto de vista científico, não conhecemos esse homem. No entanto, se compararmos o Sudário, os Evangelhos e a Bíblia em geral, encontramos tantas correspondências que é É extremamente difícil, se não impossível, pensar que este homem não era Jesus descrito nos Evangelhos. Algumas pessoas dizem: 'Sim, mas quem diria que a Bíblia poderia ter reproduzido esta imagem?' Além do fato de que esta imagem não pode ser reproduzida, era ainda mais difícil, senão impossível, reproduzir todas essas coisas. Isso porque temos informações adicionais sobre o Sudário que complementam o que escrevi no Evangelho. É por isso que Berliner o declarou o quinto Evangelho científico.Por exemplo, no Sudário, vemos os sinais de um pequeno chicote, e aqui reproduzi os vários sinais do chicote.
Entrevistador: É um corpo torturado porque já levou muitas chicotadas.

Fanti: "E eu contei mais de 370. Então pensamos que o Sudário cobria as partes dorsal e frontal, não as laterais. Então, se pensarmos em quantos golpes esse homem pode ter sofrido, eles podem até ser 500 ou 600.
Terrível crueldade.
Fanti: "E isso não está escrito nos Evangelhos. É relatado que Jesus foi chicoteado antes de estudar a refeição. Por exemplo, pensei que Jesus tivesse levado dez ou vinte golpes de chicote, como muitas vezes mostram na televisão, não as costas torturadas como esse."
Entrevistador: E com um chicote que você reconstruiu?
Fanti: "Este é um pequeno modelo de chicote que reconstruí com base nas feridas que vejo no cabo do Sudário. Não sei se tem três ou quatro cordas, mas havia esses dois provavelmente pesos de chumbo de superfície muito áspera que, ao golpear, produzia as chamadas feridas contusas dilaceradas, ou seja, golpes e depois hemorragias, e por isso o sangue sob a pele escorre e rasga.
Entrevistador: E isso pode ser visto?
A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Qqweqw10
Fanti: "E isso pode ser visto com certeza, mas não é entendido. Então, vou lhe dizer por que não é entendido, porque a laceração é claramente um arranhão que faz o sangue derramar, mas como você sabe, a hemorragia é um sangue derramado sob a pele. Agora, o problema que ainda precisa ser resolvido é que existem hipóteses, mas como o sangue derramado sob a pele não só saiu, mas também entrou em contato com o Sudário? Porque vemos os contundidos dilacerados ferimento.
Entrevistador: Então você lê muitas coisas do Sudário."
Fanti: Bem, em primeiro lugar, pelos estudos que fizemos sobre o Sudário, devo dizer que foram usados três pregos. Sabe-se que os bizantinos acreditavam que eram usados ​​quatro pregos, pois representavam o crucificado com dois pés paralelos. No entanto, na verdade, apenas um prego foi usado.
A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer10
Esse modelo (referindo-se a um modelo de crucificação) tem cerca de 30 centímetros de comprimento, mas deve-se considerar o espaço de um pé sobreposto ao outro, que passa pela cruz, e depois o espaço para cravar o prego sem que ele saia. Além disso, parece que a tortura era ainda mais severa porque, para chegar a esse resultado, pregava-se primeiro um pé, depois retirava-se o prego, pregava-se o outro pé e introduzia-se o prego no orifício anterior. Esses procedimentos eram extremamente dolorosos. Outra coisa que posso antecipar, até porque foi publicado num artigo que saiu em Janeiro, é que o prego não foi necessariamente colocado no pulso como se pensava anteriormente, mas sai pelo menos nesta posição (referindo-se a um diagrama do mão com um prego atravessado), fora do pulso. Para chegar a esse resultado, especialistas do meu grupo que analisaram esses médicos especialistas levantaram a hipótese de que a haste foi inserida em direção não perpendicular à mão, mas inclinada, porque o orifício feito no patíbulo não foi pré-perfurado para permitir a entrada do prego. Se o orifício de entrada foi feito mais longe da posição da mão, o que os soldados fizeram? Eles inseriram o prego dessa maneira e, uma vez colocado, procuraram o orifício de entrada, o que foi uma operação extremamente dolorosa. Uma coisa que devo enfatizar, estudando detalhadamente as várias feridas do homem do Sudário, é que entendo um pouco mais o quanto esse homem sofreu por nós. Tantas coisas foram descobertas. Nunca imaginamos. Até alguns anos atrás, eu não imaginava quanto sofrimento havia sido infligido além do que vemos neste pano. E isso nos faz entender que foi uma pessoa excepcional, que sofreu uma paixão extraordinária. Ele foi açoitado, coroado de espinhos e finalmente crucificado, o que não foi feito para todos os condenados. De fato, milhares e milhares foram crucificados, mas não me lembro de outros terem sido coroados de espinhos. Este homem foi coroado de espinhos porque era o rei dos judeus, como indica a inscrição na cruz. Sabemos que as crucificações eram feitas sob medida para o indivíduo condenado e, neste caso, a coroa de espinhos era acrescentada como punição adicional.
Há algumas notícias sobre a coroa de espinhos, pois muitos acreditam que as feridas dos espinhos foram dolorosas, etc. Entrei em contato com um professor de botânica em Jerusalém que me explicou que a coroa de espinhos não era feita de ramos do Cristo espinheiro, mas sim do chamado Rhamnus lycioides, porque o espinheiro de Cristo não estava presente em Jerusalém, e havia outras plantas espinhosas lá. Agora, esse rhamnus lycioides é uma planta muito espinhosa, então é bem peculiar. Além disso, sabemos que os espinhos sagrados que sangram ou dão manifestações particulares têm uma ponta vermelha que é característica do radônio. Também há confirmação disso por outro canal. O interessante do ponto de vista científico é que essa ponta vermelha do espinho contém substâncias altamente irritantes que se somam à dor já dolorosa. Eu mesmo já passei por isso porque dei uma palestra no sul e no norte da Itália, essa planta não cresce, então não encontrei. Peguei um galho como lembrete para estudá-lo e fui parado pela polícia. A dor que surgiu após 2-3 minutos foi inacreditável."
Entrevistador: "Escute, o sudário nos diz que houve um momento em que esse corpo desapareceu, ou seja, não foi movido ou arrastado porque, pelo que lemos neste livro aberto sobre o sudário, há um fator de mistério no um certo ponto.
Fanti: muitos mistérios, muitos buracos negros, ou pode ser explicado do ponto de vista científico. Além disso, se olharmos para as feridas do flagelo, elas têm essa característica de apresentar um fluxo de sangue, mas não vemos a menor mancha, principalmente em correspondência com a região das costas e ombros e nádegas. Claramente, se um homem tivesse sido adulterado, ou se o mesmo homem tivesse acordado, como alguém inventou e tivesse saído da tumba, certamente haveria atrito entre pele, crostas de sangue e tecido, mas não sabemos ver a menor mancha. Alguém diz que o sangue estava com crosta e portanto não poderia estar, mas absolutamente não, porque em um ambiente úmido como o atual, os médicos dizem que o sangue se dissolve devido à fibrinólise. Certamente, o sangue era pelo menos mole, e a fricção teria produzido manchas que não encontramos.
Entrevistador: "Então o que pode ter acontecido?
Fanti: Então, como diz o cientista americano John Jackson, o homem tornou-se mecanicamente transparente e os lençóis saíram, e é por isso que, então, quando John entrou na tumba, ele viu e acreditou no que viu e por que acreditou. Provavelmente ele viu a mortalha, sabia que era Sexta-Feira Santa, sabia como o corpo estava enrolado. Ele viu a mortalha cedendo, mas não tocou. Então, além disso, ele viu a mortalha que ainda envolvia o corpo e a cabeça que não estava lá. Vendo essas coisas, ele percebeu que esse homem havia desaparecido e, a partir dali, começou a acreditar na ressurreição.
Entrevistador: E alguém fala de uma explosão de energia.
Fanti: Sim, então vendo as características extremamente particulares da imagem, por exemplo, se olharmos para uma única fibra de linho, a única fibra não tem celulose colorida, e apenas uma camada de 0,2 milionésimos de milímetro é colorida. Para conseguir isso, a substância que produz essa cor ou a explosão de energia, como é muito provável, sim, deve ter tido uma intervenção extremamente breve. Eu estava falando de alguns segundos, milissegundos, mas fui corrigido por alguns cientistas que me disseram que devemos falar de microssegundos ou nanossegundos, ou seja, milionésimos de segundo, mais rápido que o flash de uma câmera por ser tão breve e extremamente intenso . No entanto, para obtê-lo, é claro, também temos dificuldade em reproduzir isso em laboratório porque energias tão intensas e tão breves não são fáceis de obter. Obviamente, isso não prova nada sobre o sudário, mas nos faz pensar de um ponto de vista mais geral que a explosão está relacionada à ressurreição”.
Entrevistador: Atrás de você na tela do computador, podemos ver algumas moedas em particular. Você pode explicar o que a numismática nos diz sobre o Sudário?
Fanti: Você mencionou no início o problema com a datação em 1988. Foi realizada uma datação por carbono 14, que declarou que o Sudário é do final da Idade Média. Isso deixou todos muito perplexos, porque somos ignorantes e não sabemos interpretar bem as coisas. Na minha opinião, esse resultado pode até ser um dos principais indícios a favor da Ressurreição, pois uma datação por carbono-14 considera a razão entre os isótopos de carbono-12 e carbono-14 presentes no linho. A partir dessas proporções, pode-se inferir uma datação que resultou em 1300, mas não considerou a possibilidade de contaminação por fatores ambientais. Se pensarmos em uma explosão de energia que inclua uma explosão de nêutrons, os nêutrons poderiam ter interagido com o nitrogênio presente no linho para chegar ao carbono-14. Isso poderia ter distorcido significativamente e aumentado o namoro. Como a datação por carbono-14 não pode ser repetida, é uma atração e, portanto, queimamos um pedaço do Sudário. Pensamos em fazer datações alternativas, e aqui no departamento de história de Pádua, consegui financiamento da universidade para desenvolver essa abordagem. Estamos interessados em datações mecânicas, ou seja, construímos uma máquina que nos permite puxar uma única fibra de linho ciclicamente e determinar suas características mecânicas.
Vou direto ao ponto e com isso conseguimos que o jantar é adaptável ao primeiro século depois de Cristo, portanto condizente com a época em que Jesus viveu na Palestina. Em vez disso, essa moral escolhe outra pesquisa que fiz e publiquei naquele livro que tratava de um estudo sobre a cunhagem bizantina. Esta é uma moeda bizantina, parente de Justiniano II, de 690 DC, na qual está escrito "Jesus Cristo, rei dos governantes". Esta é a face de Cristo, que é claramente muito semelhante à face do Sudário. Obviamente, alguém pode dizer que não é idêntica, mas temos que pensar no gravador bizantino que teve que produzir uma moeda tão grande sem lentes especiais, o que certamente não foi fácil de fazer. Curiosamente, há pontos notáveis de semelhança com o rosto no Sudário, como a barba bifurcada parcialmente rasgada à direita, em coerência com alguns escritos dos Evangelhos, o inchaço da bochecha direita e o cabelo mais comprido de um lado. Além disso, fiz um cálculo probabilístico comparando as duas imagens e descobri que o hipotético gravador bizantino que teve que obter esse resultado tinha apenas 1 em um bilhão de bilhões de chances de alcançá-lo, então o Sudário foi visto naquela época . É precisamente para destacar este resultado que agora estou cunhando estas moedas, que têm de um lado a face do Sudário, e do outro lado a face reproduzida da moeda para restaurá-la de acordo com o antigo sicut dixit.
Entrevistador: No dia 20 de março haverá uma apresentação especial do Homem do Sudário com uma reconstrução tridimensional. O que isso significa e o que acrescenta?
Fanti: Bem, o primeiro problema que encontrei há 20 anos foi que no Sudário vemos duas imagens, frontal e dorsal, com a imagem dorsal sendo mais de dez centímetros mais longa que a imagem frontal. Alguém diz que foi feito por um artista porque se enganou no comprimento etc. as duas imagens de forma coerente. A resposta foi imediatamente sim, se pensarmos na posição particular de joelhos parcialmente dobrados, cabeça inclinada para a frente, além dos braços muito vivos, esta é a posição de um crucifixo com uma significativa rigidez cadavérica. Assim, temos a marca não de um homem deitado em decúbito dorsal normalmente, mas de um homem em particular que assumiu sua rigidez na cruz. No entanto, esta não é a imagem que eles preveem à noite. Este é o ponto de partida. Depois de demonstrar isso com um modelo numérico, construímos várias reconstruções cada vez mais plausíveis em comparação com o que vemos. Mas, recentemente, encontrei uma equipe de colegas e médicos do Hospital Study Palo em Pádua que me ajudaram a reconstruir esta imagem, junto com o escultor Sergio Rodella. No dia 20 deste mês, apresentaremos esse resultado, que é um pouco melhor que os anteriores. Após dois anos de estudos, a posição é mais ou menos a mesma, mas posso antecipar, por exemplo, que os joelhos estão um pouco mais dobrados, as mãos estão colocadas nesta posição, mas um pouco diferente e, acima de tudo, o resultado é que há um deslocamento considerável do ombro direito.
 
Entrevistador: Obrigado, professor Fanti, por seu estudo apaixonado desta representação verdadeiramente preciosa do Sudário como uma imagem e um testemunho impressionado de um homem que sofreu tanto e representa tanto para a humanidade. Obrigado.
 

Fanti: Obrigado por esta entrevista. 
https://www.youtube.com/watch?v=ktXxXkj5qtM



Last edited by Otangelo on Thu 18 May 2023 - 23:09; edited 1 time in total

https://reasonandscience.catsboard.com

Otangelo


Admin

A única descrição que encontramos em Isaías 53.2 diz: Não tinha forma nem majestade para que o olhássemos, nem formosura para que o desejássemos. Talvez isso se refira a Jesus depois que ele foi torturado. Joan E. Taylor (2018) escreve em seu livro: Qual era a aparência de Jesus: Quando Jesus é levado diante daqueles que o acusam, Pôncio Pilatos – o governador romano encarregado da Judéia – ordena-lhes: 'Eis o homem!' (João 19:5). Nesse ponto, Jesus foi chicoteado e está zombeteiramente vestido com uma coroa de espinhos e um manto roxo, e isso é o máximo que conseguimos de uma descrição dele: uma impressão de um homem torturado, escarnecido e humilhado, o oposto. de glória.

Jesus Cristo é indiscutivelmente o homem mais famoso que já viveu. Sua imagem adorna inúmeras igrejas, ícones e pinturas. Ele é o tema de milhões de estátuas, esculturas, objetos devocionais e obras de arte. Todos podem conjurar uma imagem de Jesus: mas como Jesus realmente se parecia? Jesus: é a figura mais pintada de toda a arte mundial, identificável em toda parte. Todo mundo conhece Jesus: ele é a figura mais pintada em toda a arte mundial, identificável em todos os lugares. Nos épicos do cinema, Jesus aparece da mesma maneira: do filme mudo de 1902, A Vida e a Paixão de Jesus Cristo, à minissérie bíblica Filho de Deus (2013), Jesus invariavelmente tem cabelos e barba longos reconhecíveis e um manto longo com mangas largas . No cinema moderno e nos documentários dramatizados, há uma preferência por Jesus usar uma longa túnica malfeita e um casaco largo em tons de terra, como visualizado no influente filme de Franco Zeffirelli, Jesus de Nazaré (1977, mas ainda mantém a forma e o estilo de Jesus). roupas com as quais estamos familiarizados. A imagem de Jesus é literalmente icônica. Milhares de pinturas e ícones apresentam seu rosto, forma e roupas. No entanto, essa imagem de Jesus não estava disponível para aqueles que usaram os Evangelhos nos primeiros séculos. Pregação de os Evangelhos para fazer convertidos, os primeiros missionários não podiam fornecer uma imagem mental da aparência física de Cristo a partir desses textos. As pessoas aparentemente podiam imaginar Jesus da maneira que quisessem.1

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer11

Um dos modelos mais populares de Jesus é uma pintura feita por Warner Sallman em 1940 (Figura acima). Nesta representação, Jesus aparece sério, limpo, determinado, bonito e de olhos azuis. O próprio Sallman não foi influenciado pela Carta de Lentulus; era simplesmente normal ver Jesus dessa maneira. Para muitos, essa imagem é a quintessência de Jesus, como ele realmente era na carne, ou então um modelo que encapsula o Cristo da fé. A imagem foi dada a soldados e mulheres americanos durante a Segunda Guerra Mundial e criou uma forte impressão. Embora seja uma bela imagem, não tem nada a ver com qualquer evidência sobre a aparência de Jesus e – como tantas outras pinturas – deturpa sua etnia.

O título do artigo na web, mostrando o retrato de Warner Sallmans Jesus acima como um homem branco é: "Como Jesus Cristo veio a ser representado como um europeu branco" 3 J. E. Taylor (2018) Estamos no turbilhão de séculos de europeus hegemonia cultural, na qual a imagem de Jesus como europeu tem sido a 'marca' mais poderosa. Na Europa, isso foi reforçado por uma curiosa peça de literatura que visava endossar um retrato de Jesus que garantiria que ele decididamente não tivesse aparência de judeu: a Carta de Lêntulo. Essa suposta carta tornou-se conhecida na Europa Ocidental no final do século XIV; aparece pela primeira vez em manuscritos dessa época, com o melhor deles preservado na Friedrich-Schiller-Universität Jena. Extremamente popular e altamente considerado, foi impresso em latim e em muitos idiomas europeus. Apareceu em coleções e volumes independentes a partir do século XV, e versões posteriores da carta são encontradas até mesmo em siríaco, armênio e persa. A ideia por trás disso é que havia evidências documentais romanas antigas do julgamento de Jesus: uma carta há muito perdida de uma fonte oficial. No entanto, apesar das reivindicações inerentes à carta, é uma invenção total. As muitas imprecisões históricas significam que podemos descartá-lo como tendo qualquer credibilidade. A carta foi aparentemente escrita por um oficial romano chamado Lentulus. No manuscrito de Jena, ele é descrito como Publius Lentulus in Iudea preses senatui populoq(ue) romano: 'Publius Lentulus, governador na Judéia para o Senado e o povo de Roma', mas seu título também pode aparecer em outras versões como Lentulus Hierosolytanorum Praeses, 'Lentulus governador de Jerusalém'. Essa linguagem é anacrônica: a palavra preses ou praeses não se tornou uma designação oficial latina para um governador até o século III, embora às vezes pudesse ser usada honorificamente. O nome do imperador é dado como Otávio (Augusto), que morreu em 14 EC, embora alguns manuscritos corrijam isso para o imperador certo, Tibério (ver Lucas 3:1–3). Não há registro governador da Judéia chamado Lentulus, e sabemos quem eles eram. Não havia um “governador” separado de Jerusalém, apenas um comandante militar romano, que é atestado em Atos como sendo o posto de tribuno (Atos 21:20-40). Esse conceito administrativo de um “governador” de cidade, praeses, não se refere ao tempo de Jesus, mas à era da administração mameluca na Palestina, nos séculos XIII-XVI, quando havia governadores de cidades e províncias. O objetivo da carta é descrever a aparência de Jesus como se fosse a única coisa que vale a pena relatar. A descrição de Jesus não combina bem com os tipos de características que acabamos de notar de interesse para a fisionomia greco-romana, o que também argumenta contra sua origem na antiguidade. Tem muito mais a ver com uma bela imagem visual adequada para pintura. O cabelo da cor de uma avelã verde é castanho claro. Uma tonalidade levemente avermelhada em sua pele se correlaciona com a menção bíblica de Davi ter uma tez avermelhada (1 Sam. 16:12), mas, em um contexto europeu, esta é uma cor apropriada para alguém que tem uma disposição sanguínea, de acordo com a teoria medieval dos humores corporais: alguém naturalmente caloroso, forte e alegre. Desde os tempos antigos, foi associado a Júpiter, o rei dos deuses.

Pode ser que a carta tenha sido originalmente destinada a acompanhar uma pintura venerada, mas circulou separadamente. Quanto à imagem que apresenta, a Carta de Lêntulo preocupa-se em visualizar o corpo inteiro de Jesus: é alto e ereto, tem braços e mãos bonitos. Podemos imaginar todo o seu físico à nossa frente, de frente, e sua coloração. O que pode trazer à mente é a famosa imagem pintada por Leonardo da Vinci no afresco da Última Ceia, criada nos últimos anos do século XV na igreja de Santa Maria delle Grazie, em Milão, justamente quando esta carta era amplamente lida. . Mais exatamente, no entanto, um Leonardo Jesus que corresponde à descrição da Carta pode ser visto claramente na pintura recentemente redescoberta de Salvator Mundi (Salvador do Mundo), reexibida na National Gallery, Londres, em 2011-12. 1

Stephen E. Jones (2021) Publius Lentulus contém uma descrição semelhante ao Sudário de Jesus por uma testemunha ocular contemporânea e, portanto, é mais uma evidência do primeiro século para a autenticidade do Sudário! Em 1969, quando eu era cristão havia apenas alguns anos, fui promovido a um cargo no Departamento de Minas da Austrália Ocidental. Um de meus novos colegas de trabalho era um adventista do sétimo dia que me mostrou no final de sua Bíblia a Carta de Publius Lentulus. De memória, era semelhante ao relato da Wikipedia (com as partes semelhantes ao Sudário em negrito):

"Lêntulo, o Governador dos Jerusalémitas ao Senado Romano e ao Povo, saudações. Apareceu em nossos tempos, e ainda vive, um homem de grande poder (virtude), chamado Jesus Cristo. O povo o chama de profeta da verdade; seus discípulos, filho de Deus. Ele ressuscita os mortos e cura as enfermidades. Ele é um homem de tamanho médio (statura procerus, mediocris et spectabilis); ele tem um aspecto venerável, e seus observadores podem temê-lo e amá-lo. Seus cabelos é da cor da avelã madura, reta até as orelhas, mas abaixo das orelhas ondulada e encaracolada, com um reflexo azulado e brilhante, fluindo sobre os ombros. É dividida em duas no topo da cabeça, depois o padrão dos nazarenos. Sua testa é lisa e muito alegre com um rosto sem rugas ou manchas, embelezado por uma tez ligeiramente avermelhada. Seu nariz e boca são impecáveis. Sua barba é abundante, da cor de seus cabelos, não muito longa, mas dividido no queixo, seu aspecto é simples e maduro, seus olhos são mutáveis e brilhantes. Ele é terrível em suas repreensões, doce e amável em suas admoestações e alegre sem perder a seriedade. Ele nunca foi conhecido por rir, mas muitas vezes por chorar. Sua estatura é reta, suas mãos e braços lindos de se ver. Sua conversa é grave, pouco frequente e modesta. Ele é o mais belo entre os filhos dos homens".

A Carta de Lentulus é uma epístola de origem misteriosa que foi amplamente publicada pela primeira vez na Itália no século XV. Ele pretende ter sido escrito por um oficial romano, contemporâneo de Jesus, e dá uma descrição física e pessoal de Jesus. A carta pode ter influenciado como Jesus foi posteriormente representado fisicamente na arte. Aparece em várias publicações florentinas por volta de 1460 junto com obras de humanistas como Petrarca e Boccaccio. A carta foi impressa pela primeira vez na Alemanha na "Vida de Cristo" de Ludolph, o Cartuxo (Colônia, 1474), e na "Introdução às obras de Santo Anselmo" (Nuremberg, 1491). Mas não é obra de Santo Anselmo nem de Ludolfo. De acordo com o manuscrito de Jena, um certo Giacomo da família Colonna encontrou a carta em 1421 em um antigo documento romano enviado a Roma de Constantinopla. Deve ter sido de origem grega e traduzida para o latim durante o século XIII ou XIV, embora tenha recebido sua forma atual nas mãos de um humanista do século XV ou XVI. Christopher Mylius, o bibliotecário de Jena do século 18, afirmou que a carta foi escrita em letras douradas em papel vermelho e ricamente encadernada, mas perdida. Em 1899, Ernst von Dobschütz listou mais de 75 manuscritos históricos da Alemanha, França e Itália que incluem a Carta de Lentulus em formas variantes. O estudioso do século 19, Friedrich Münter, acreditava que poderia rastrear a carta até a época de Diocleciano, mas isso geralmente não é aceito pelos estudiosos atuais. 7

Houve um Publius Lentulus que poderia ter sido um governador de Jerusalém no tempo de Jesus Como mencionado pela Wikipedia acima, os Deeds of the Divine Augustus listam um Publius Lentulus como sendo eleito Cônsul Romano durante o reinado de Augusto (27 AC - AD 14)." A parte relevante desse documento afirma: Quando Marcus Vinicius e Quintus Lucretius eram cônsules (19 AEC), então novamente quando Publius Lentulus e Gnaeus Lentulus eram (18 AEC) ...".5

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer12

Salvator Mundi (c. 1490–1519), Leonardo da Vinci, óleo sobre nogueira, 45,4 × 65,6 cm. Coleção privada.

Joan E. Taylor (2018) Cristo é uma figura andrógina (Mona Lisa) com cabelo castanho claro que “cai suavemente sobre as orelhas, depois das orelhas em cachos um pouco mais escuros e brilhantes, fluindo sobre os ombros”. Ele tem uma barba cheia e bifurcada, mas sutilmente misturada com sombras. Ele não parece o tipo de homem que riria; ele tem muita gravidade; ele tem boa postura, testa lisa, olhos claros, sem rugas, traços regulares e mãos bonitas. Leonardo capturou perfeitamente uma expressão “simples e madura”, de acordo com a Carta. No entanto, a Carta de Lentulus é comumente associada não a um frontal, mas sim a uma imagem de perfil. Em um díptico de um artista desconhecido (datado de c. 1500), agora no Museu Catharijneconvent, Utrecht, a Carta de Lentulus (em latim) é reproduzida de um lado, em letras douradas, e do outro há uma pintura de Jesus no perfil.

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer13

O díptico de Utrecht faz duas coisas: ele transcreve a Carta de Lentulus, que fornece um retrato frontal de Jesus, e ainda mostra uma versão totalmente diferente da aparição de Jesus. Ele efetivamente colore o perfil com os tons da descrição da carta. Podemos imaginar esta figura de perfil voltando-se para nós, com seus traços europeus, seu rosto sereno, sua pele pálida, olhos claros, seus cabelos castanhos repartidos ao meio, caindo levemente ondulados das orelhas aos ombros.

Ele não é particularmente bonito, mas é seguro e um tanto majestoso. A mão está posicionada como no Salvator Mundi de Leonardo: quase se tem uma visão lateral e frontal de um homem semelhante, embora a pintura de Utrecht tenha Jesus com a pele muito pálida, como um flamengo. O motivo da associação da carta a um perfil pode ser atribuído a pura coincidência: a carta tornou-se conhecida justamente na época de um magnífico presente de uma esmeralda com Jesus de perfil. A joia foi aparentemente presenteada ao Papa Inocêncio VIII em 1492 pelo sultão turco (o 'Grande Turco'). Na versão mais antiga desta história, diz-se que havia duas cabeças nesta esmeralda (em amaraldo), de Cristo e de Paulo. Encontramos esta informação gravada no verso de uma medalha, agora no Museu Britânico, onde também existem exemplares da medalha com Cristo de um lado e Paulo do outro. A crença de que o sultão estava fornecendo um retrato genuíno de Cristo (e Paulo) logo se espalhou, e a imagem foi copiada em medalhões, gravuras e pinturas, às vezes emparelhadas com a Carta de Lentulus, mas originalmente com versões da história original (em latim ou outras línguas).

Jesus, o Judeu

Embora hoje seja amplamente aceito que Jesus era judeu, apenas recentemente nos estudos históricos sobre Jesus é que esse foi o caso. Em 1973, Geza Vermes publicou um livro inovador intitulado Jesus, o Judeu. Aqui ele inseriu "o Jesus dos Evangelhos nas realidades geográficas e históricas e na estrutura religiosa carismática do judaísmo do primeiro século", onde "Jesus, o hasid galileu ou homem santo, começa a ganhar substância". Para Vermes, esse homem santo é um tipo de milagreiro semelhante a outras figuras judaicas mencionadas em textos rabínicos.1

Isso contrasta com as imagens típicas de loiras e olhos azuis vistas no Ocidente. Neave enfatizou que o retrato é de um homem adulto vivendo na mesma época e lugar que Jesus, mas alguns especialistas dizem que sua representação ainda é provavelmente muito mais precisa do que as pinturas dos grandes mestres. A equipe supôs que Jesus teria características faciais típicas dos semitas galileus de sua época. Dr. Neave e sua equipe radiografaram três crânios semitas da época, previamente encontrados por arqueólogos israelenses. No entanto, contradiz a imagem de cabelos compridos vista no Sudário de Turim, que muitos acreditam ter a imagem de Cristo quando ele foi envolto em um pano após sua morte na cruz.6

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer14

DailyMail (2015): Em 2015, o artista médico aposentado Richard Neave recriou o rosto de Jesus (foto), usando técnicas forenses. O retrato mostra o Filho de Deus com rosto largo, olhos castanhos, barba espessa e cabelos curtos e cacheados, além de pele bronzeada.

Isso contrasta com as imagens típicas de loiras e olhos azuis vistas no Ocidente. Neave enfatizou que o retrato é de um homem adulto vivendo na mesma época e lugar que Jesus, mas alguns especialistas dizem que sua representação ainda é provavelmente muito mais precisa do que as pinturas dos grandes mestres. A equipe supôs que Jesus teria características faciais típicas dos semitas galileus de sua época. Dr. Neave e sua equipe radiografaram três crânios semitas da época, previamente encontrados por arqueólogos israelenses. No entanto, contradiz a imagem de cabelos compridos vista no Sudário de Turim, que muitos acreditam ter a imagem de Cristo quando ele foi envolto em um pano após sua morte na cruz.6

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer15

Na minha opinião, Neave posicionou a aparência de Cristo com um crânio baixo, grande protuberância e nariz grande próximo ou igual ao de um Neandertal, em vez de um judeu do primeiro século, o que considero um insulto e uma blasfêmia.8

Wikipedia : A representação de Jesus em forma pictórica remonta à arte e arquitetura cristã primitiva, já que o aniconismo no cristianismo foi rejeitado no período pré-Niceno. Demorou vários séculos para chegar a uma forma padronizada convencional para sua aparência física, que posteriormente permaneceu bastante estável desde então. A maioria das imagens de Jesus tem em comum uma série de características que agora são quase universalmente associadas a Jesus, embora sejam vistas variantes. A imagem convencional de um Jesus totalmente barbudo com cabelos longos surgiu por volta de 300 dC, mas não se estabeleceu até o século VI no cristianismo oriental e muito mais tarde no Ocidente. Sempre teve a vantagem de ser facilmente reconhecível e distinguir Jesus das outras figuras que se apresentam ao seu redor, o que também consegue o uso de um halo cruciforme. As imagens anteriores eram muito mais variadas.

A representação mais antiga de Jesus

O fato de Jesus ter sido imaginado como uma divindade como Dionísio ou Hermes, filho de um deus como Zeus, parece estar por trás da imagem mais antiga que temos dele.

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Werwer16

Em uma cena do batistério que retrata as obras milagrosas de Cristo, Cristo cura um homem acamado. O homem aparece duas vezes: em primeiro plano, ele é mostrado paralisado e, à esquerda, carrega alegremente sua cama. A cena significava para os espectadores a qualidade curativa do batismo na fonte próxima, onde os iniciados recebiam o perdão dos pecados e começavam uma nova vida como cristãos. Escavado em Dura-Europos, Síria, datado de cerca de 235 ( Yale Art Gallery) 9

Por volta do século VI, a representação barbada de Jesus tornou-se padrão no Oriente, embora o Ocidente, especialmente no norte da Europa, continuasse a misturar representações barbadas e sem barba por vários séculos. A representação com rosto alongado, cabelos castanhos longos e lisos repartidos ao meio e olhos amendoados mostra consistência desde o século VI até o presente. Desenvolveram-se várias lendas que se acreditava autenticar a precisão histórica da representação padrão, como a imagem de Edessa e mais tarde o Véu de Verônica.

Muitas tentativas foram feitas para recriar a imagem de Jesus com base no homem do Sudário de Turim, com mais ou menos sucesso.

https://reasonandscience.catsboard.com

Otangelo


Admin

Meu livro: Confirmando Yeshua foi publicado na Amazon em formato Kindle.

https://www.amazon.com/dp/B0C5VYFHQQ/

"Confirmando Yeshua" é uma ferramenta poderosa para quem procura defender sua fé cristã, seja um apologista experiente ou iniciante. E para quem busca uma compreensão mais profunda do Jesus histórico. As evidências encontradas no Sudário de Turim e no Sudário de Oviedo são inestimáveis para evangelistas, pastores, missionários e leigos, fornecendo uma exploração abrangente e completa das evidências que corroboram o Jesus histórico. Este livro, ricamente illustrado,  não é apenas para crentes, mas também para céticos e buscadores que desejam evidências que possam levá-los a uma decisão de acreditar em Jesus. Em um mundo onde o Cristianismo está cada vez mais sob ataque, este livro oferece uma defesa abrangente da fé usando lógica, razão e evidências. O objetivo é equipar os cristãos para responder a perguntas difíceis e apresentar um caso persuasivo para a verdade do cristianismo. Da confiabilidade histórica das narrativas nos evangelhos, à existência histórica de Jesus, à evidência da ressurreição, este livro fornece evidências claras e convincentes da veracidade dos escritos bíblicos. Seja você um cristão procurando fortalecer sua fé ou um cético em busca de respostas, "Confirmando Yeshua" é e irá ajudá-lo a fornecer uma base sólida para suas crenças. "Confirmando Yeshua" investiga as evidências históricas e científicas que apoiam a autenticidade do Sudário de Turim, um antigo pano de linho que traz a imagem de um homem que muitos acreditam ser Jesus Cristo.

O Sudário de Turim é um dos artefatos mais famosos e enigmáticos do mundo. É um pano de linho que traz a imagem pálida de um homem que parece ter sido crucificado. O Sudário é considerado por muitos como o pano de enterro de Jesus de Nazaré, e a imagem no pano é considerada uma impressão milagrosa deixada por seu corpo enquanto ele jazia no túmulo. Mas o que é o Sudário e é realmente autêntico? Essas questões e muitas outras são exploradas neste livro abrangente, que investiga a história, a ciência e a fé em torno do Sudário de Turim. O livro começa examinando as referências bíblicas ao sudário de Jesus e a historicidade do Sudário, traçando sua cronologia de 30 D.C. ao século XIV. Em seguida, analisa as recentes descobertas científicas e as evidências cumulativas esmagadoras que apoiam a autenticidade do Sudário. O livro também explora as várias tentativas de desacreditar o Sudário, incluindo aquelas feitas por céticos que atacaram o trabalho de Secondo Pia, o fotógrafo que primeiro chamou a atenção do público para o Sudário.

O livro examina detalhadamente a imagem corporal do Sudário, discutindo o fato de ser muito superficial, um negativo fotográfico e anatomicamente correto. Ele também analisa as manchas de sangue no Sudário, que foram amplamente analisadas por cientistas, e oferece uma discussão sobre as principais razões que corroboram a autenticidade do Sudário. Um dos aspectos mais intrigantes do Sudário é sua conexão com a crucificação de Jesus. O livro explora os vários relatos bíblicos e históricos da crucificação, bem como as implicações clínicas dessa forma brutal de execução. Também considera as várias teorias que cercam a criação da imagem no Sudário, incluindo a possibilidade de que ela tenha sido criada por radiação ou algum outro meio desconhecido. Ao longo do livro, o autor oferece uma visão equilibrada e objetiva do Sudário de Turim, examinando as evidências a favor e contra sua autenticidade. Eles também exploram o significado espiritual e teológico do Sudário e como ele inspirou fé e admiração em milhões de pessoas em todo o mundo. No geral, este livro é um recurso essencial para qualquer pessoa interessada no Sudário de Turim, seja de uma perspectiva histórica, científica ou espiritual. Seu exame minucioso das evidências e dos muitos mistérios que cercam esse antigo artefato o torna uma leitura fascinante e instigante.

https://reasonandscience.catsboard.com

Otangelo


Admin

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_59

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_61

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_60

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_63

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_62

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_64

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_67

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_65

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_66

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_68

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_70

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_69

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_72

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_71

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_73

A Síndone de Turim, e o Sudário de Oviedo,  corroboram Jesus como figura histórica, e sua identidade Biblica - Page 2 Panel_74

https://reasonandscience.catsboard.com

Sponsored content



Back to top  Message [Page 2 of 2]

Go to page : Previous  1, 2

Permissions in this forum:
You cannot reply to topics in this forum