ElShamah Ministries: Defending the Christian Worldview and Creationism
Would you like to react to this message? Create an account in a few clicks or log in to continue.
ElShamah Ministries: Defending the Christian Worldview and Creationism

Otangelo Grasso: This is my personal virtual library, where i collect information, which leads in my view to the Christian faith, creationism, and Intelligent Design as the best explanation of the origin of the physical Universe, life, and biodiversity


You are not connected. Please login or register

Yeshua Confirmado!!

Go down  Message [Page 1 of 1]

1Yeshua Confirmado!!  Empty Yeshua Confirmado!! Sun Mar 05, 2023 4:13 pm

Otangelo


Admin

Yeshua Confirmado!!

A genealogia do Messias

Dr. A. G. Fruchtenbaum (1992): Dos quatro evangelhos, apenas dois lidam realmente com o nascimento e os primeiros anos de vida de Yeshua: Mateus e Lucas. Por essa razão, apenas estes dois têm genealogias. Embora tanto Mateus quanto Lucas contem a história de seu nascimento, eles a contam a partir de dois pontos de vista diferentes. Mateus conta a história do nascimento de Yeshua a partir da perspectiva de José. No Evangelho de Mateus, José desempenha o papel ativo enquanto Maria desempenha um papel passivo; anjos aparecem a José, mas não há registro de anjos aparecendo a Maria; o texto revela o que José está pensando e o que está acontecendo em sua mente, mas nada do que Maria está pensando. Por outro lado, Lucas conta a mesma história a partir da perspectiva de Maria. No Evangelho de Lucas, Maria desempenha o papel ativo enquanto José desempenha um papel passivo; anjos aparecem a Maria, mas não há registro de anjos aparecendo a José; o texto revela o que Maria está pensando e o que está acontecendo em sua mente, mas nada sobre o que José está pensando. A partir desse contexto, deveria ser muito evidente que a genealogia em Mateus seria a de José, já que Mateus contou a história a partir da perspectiva de José; enquanto a genealogia em Lucas seria a de Maria, já que Lucas está contando a história a partir da perspectiva dela.

Diferentes genealogias. Elas se contradizem?
A exigência de que o Messias seja da linha de Davi (Jeremias 33: 15–17; Isaías 9: 7) é validada por dois evangelhos fornecendo genealogias de Jesus. No entanto, surge um problema quando percebemos que apenas uma geração, o pai de José, precisa ser rastreada para atender a esse requisito. Ambas as genealogias diferem além desse ponto, então pelo menos uma delas está incorreta. Além disso, a genealogia de José é irrelevante porque ele não era o pai biológico de Jesus. Além disso, ter um Deus como pai torna Jesus inelegível para atender ao requisito de estar na linha de Davi. Embora alguns argumentem que a genealogia de Lucas é para Maria, o texto afirma que é para José. Além disso, fornecer a genealogia do pai de quem a descendência de Davi não contaria entra em conflito com a ideia de que Jesus herda o trono de Davi e que ele era o filho de Deus, resultando em um choque incompatível de duas ideias.

Por que duas genealogias?
A pergunta que tudo isso levanta é: "Por que a necessidade de duas genealogias para começar, especialmente porque Jesus não era o filho 'real' de José, de qualquer maneira?" A resposta geralmente é algo como, "A genealogia de Mateus dá a linha real, enquanto a genealogia de Lucas dá a linha real." O que eles querem dizer com isso é que, de acordo com a conta de Mateus, José era o herdeiro aparente ao trono de Davi. Como Jesus era o filho "adotado" de José, Ele poderia reivindicar o direito de sentar no trono de Davi em virtude dessa adoção. Por outro lado, a genealogia de Lucas mostra que Jesus mesmo é descendente de Davi através de Sua mãe, Maria. Mas na verdade, o oposto exato é verdadeiro.

O requisito para a realeza no Reino de Judá
Para entender a necessidade real das duas genealogias, é preciso primeiro entender que havia dois requisitos do Antigo Testamento para a realeza. Um foi aplicado ao Reino do sul de Judá, com sua capital em Jerusalém, enquanto o outro foi aplicado ao Reino do norte de Israel, com sua capital em Samaria.
O primeiro requisito era o da descendência davídica. A menos que você fosse um membro da Casa de Davi, você não poderia sentar-se no trono em Jerusalém. Quando houve uma conspiração para acabar com a Casa de Davi e estabelecer uma nova dinastia como em Isaías 7, Isaías avisou que qualquer tal conspiração estava fadada ao fracasso porque ninguém fora da Casa de Davi poderia sentar-se no trono em Jerusalém.
O requisito para a realeza no Reino de Israel
O segundo requisito era o da nomeação divina ou sanção profética. A menos que você tivesse nomeação divina ou sanção profética, não poderia sentar-se no trono de Samaria. Se alguém tentasse fazê-lo, acabaria sendo assassinado. Por exemplo, Deus disse a Jeú que sua linhagem seria permitida a sentar-se no trono de Samaria por quatro gerações, e quatro o fizeram. Quando o quinto tentou ganhar o trono, ele foi assassinado porque não tinha nomeação divina ou sanção profética. Ambos esses elementos virão à tona na necessidade das duas genealogias. 1

https://reasonandscience.catsboard.com

2Yeshua Confirmado!!  Empty Re: Yeshua Confirmado!! Sun Mar 05, 2023 4:27 pm

Otangelo


Admin

J. F. Walvoord (2011):  Matthew 1:1–17. The gospel of Matthew is unique in presenting both the life of Christ from a particular point of view and an explanation of why the Old Testament prophecies concerning the kingdom on earth were not fulfilled at the first coming of Christ. Unlike the gospel of Luke, which is designed to set forth a true historical record of the facts concerning Christ (Luke 1:1–4), the gospel of Matthew has the specific purpose of explaining to Jews, who expected their Messiah to be a conquering and glorious King, why, instead, Christ lived among men, died on a cross, and rose again. In keeping with this objective, the gospel of Matthew provides a bridge between the Old Testament prophecies and expectation of the coming of the Messiah of Israel and its fulfillment in the birth and life of Christ. Accordingly, in the gospel of Matthew, the lineage of Jesus was traced back to Abraham and David. The genealogy of Matthew ended with Joseph the husband of Mary. Matthew made clear that Jesus was not the son of Joseph but that Mary was His mother (Matt. 1:16). By contrast, the genealogy of Mary was given in Luke 3:23–37, assuring that Christ is a genuine descendant of David. The genealogy of Matthew supports the concept that Jesus is the legitimate heir to the throne of David through Joseph His father. Even though Joseph was not the human father of Jesus, the right of the royal throne was nevertheless passed through Joseph to Jesus. Accordingly, Jesus fulfilled the Old Testament expectation that a Son of David would reign on the throne of David forever as Gabriel had announced to Mary (Luke 1:32–33). A careful study of Matthew’s genealogy reveals that it was not intended to be a complete genealogy as only fourteen generations were selected from Abraham to David, fourteen from David to the Babylonian exile, and a third fourteen from the Exile to the time of the birth of Jesus. Matthew 1:13–15 records people in the genealogy of Jesus who are not listed in the Old Testament. Likewise, some names in the Old Testament are not included in the genealogy as in the case of Uzziah, who was declared to be the son of Jehoram when actually he was the great-great grandson of Jehoram (Matt. 1:9; cf. 2 Kings 8:25; 13:1–15:38; 2 Chron. 22–25).

Genealogia de Mateus

JF Walvoord (2011): Mateus 1:1–17. O evangelho de Mateus é único em apresentar tanto a vida de Cristo de um ponto de vista particular quanto uma explicação de por que as profecias do Antigo Testamento a respeito do reino na terra não foram cumpridas na primeira vinda de Cristo. Ao contrário do evangelho de Lucas, que se destina a estabelecer um verdadeiro registro histórico dos fatos relativos a Cristo (Lucas 1:1–4), o evangelho de Mateus tem o propósito específico de explicar aos judeus, que esperavam que seu Messias fosse um conquistador e glorioso Rei, por que, em vez disso, Cristo viveu entre os homens, morreu na cruz e ressuscitou. De acordo com esse objetivo, o evangelho de Mateus fornece uma ponte entre as profecias do Antigo Testamento e a expectativa da vinda do Messias de Israel e seu cumprimento no nascimento e na vida de Cristo. Assim, no evangelho de Mateus, a linhagem de Jesus remonta a Abraão e Davi. A genealogia de Mateus terminou com José, marido de Maria. Mateus deixou claro que Jesus não era filho de José, mas Maria era sua mãe (Mt 1:16). Em contraste, a genealogia de Maria foi dada em Lucas 3:23–37, assegurando que Cristo é um descendente genuíno de Davi. A genealogia de Mateus apóia o conceito de que Jesus é o herdeiro legítimo do trono de Davi por meio de seu pai José. Embora José não fosse o pai humano de Jesus, o direito ao trono real foi passado de José para Jesus. Assim, Jesus cumpriu a expectativa do Antigo Testamento de que um Filho de Davi reinaria no trono de Davi para sempre, como Gabriel havia anunciado a Maria (Lucas 1:32–33). Um estudo cuidadoso da genealogia de Mateus revela que ela não pretendia ser uma genealogia completa, pois apenas catorze gerações foram selecionadas de Abraão a Davi, catorze de Davi ao exílio babilônico e uma terceira catorze do exílio até a época do nascimento de Jesus. Mateus 1:13–15 registra pessoas na genealogia de Jesus que não estão listadas no Velho Testamento. Da mesma forma, alguns nomes no Antigo Testamento não estão incluídos na genealogia, como no caso de Uzias, que foi declarado filho de Jeorão quando na verdade era trineto de Jeorão (Mt 1:9; cf. 2 Reis 8:25; 13:1–15:38; 2 Crônicas 22–25). O fato de o Novo Testamento incluir alguns nomes que não estão no Antigo Testamento e o Antigo Testamento incluir alguns nomes que não estão no Novo Testamento é uma das razões pelas quais é impossível tomar genealogias como base para determinar a antiguidade da raça humana, como as próprias Escrituras deixam claro que essa não era a intenção divina. Outra característica incomum das genealogias é o destaque de quatro mulheres que normalmente não seriam incluídas em uma genealogia. Cada um deles tem um fundo especial. Tamar (Mateus 1:3) realmente entrou na linha por se fazer de prostituta (Gênesis 38:1–30). Raabe, a prostituta, foi protegida por Josué quando Jericó foi capturada e se tornou parte da linhagem messiânica (Josué 2:1–6; 6:25). Raabe foi declarada esposa de Salmon, pai de Boaz, e isso foi revelado apenas no Novo Testamento (Mt 1:5). Somente Rute, que é objeto de um belo retrato no livro de Rute, tinha um registro imaculado, mas nem ela era israelita. Bate-Seba, mãe de Salomão, que havia sido esposa de Urias, teve um relacionamento adúltero com Davi que resultou no assassinato de seu marido (2 Sam. 11:1–12:25). O fato de essas mulheres estarem na genealogia também acabou com qualquer orgulho judaico. Sem dúvida, Maria também teve que suportar o fardo das fofocas sobre seu Filho, que foi concebido antes de ela ser tomada por José como sua noiva. 2

Michael Rydelnik (2019): Outro ponto incontestável é que o Messias seria descendente do rei Davi. Daí vem a atribuição rabínica do título, Messias, o Filho de Davi. Das numerosas passagens que podem ser citadas, nos limitaremos às duas seguintes, ambas de Isaías: E brotará um rebento do tronco de Jessé, e um rebento das suas raízes dará fruto. (v. 11:1) E acontecerá naquele dia que a raiz de Jessé, que está por estandarte dos povos, a ele buscarão as nações; e seu lugar de descanso será glorioso. (v. 11:10) Jessé foi o pai de Davi e, portanto, essas passagens mostram que o Messias virá da Casa de Davi.

Wikipedia: O Novo Testamento fornece dois relatos da genealogia de Jesus, um no Evangelho de Mateus e outro no Evangelho de Lucas. Mateus começa com Abraão, enquanto Lucas começa com Adão. As listas são idênticas entre Abraão e Davi, mas diferem radicalmente nesse ponto. Mateus tem vinte e sete gerações de Davi a José, enquanto Lucas tem quarenta e duas, quase sem sobreposição entre os nomes nas duas listas.⁠ Notavelmente, os dois relatos também discordam sobre quem era o pai de José: Mateus diz que ele era Jacó, enquanto Lucas diz que ele era Heli. Estudiosos cristãos tradicionais (começando com Africanus e Eusébio[3]) apresentaram várias teorias que procuram explicar por que as linhagens são tão diferentes, como a de que o relato de Mateus segue a linhagem de José, enquanto o de Lucas segue a linhagem de Maria, embora ambos comece com Jesus e depois vá para José, não para Maria.

Wikipedia: O Novo Testamento fornece dois relatos da genealogia de Jesus, um no Evangelho de Mateus e outro no Evangelho de Lucas. Mateus começa com Abraão, enquanto Lucas começa com Adão. As listas são idênticas entre Abraão e Davi, mas diferem radicalmente nesse ponto. Mateus tem vinte e sete gerações de Davi a José, enquanto Lucas tem quarenta e duas, quase sem sobreposição entre os nomes nas duas listas.⁠ Notavelmente, os dois relatos também discordam sobre quem era o pai de José: Mateus diz que ele era Jacó, enquanto Lucas diz que ele era Heli. Estudiosos cristãos tradicionais (começando com Africanus e Eusébio[3]) apresentaram várias teorias que procuram explicar por que as linhagens são tão diferentes, como a de que o relato de Mateus segue a linhagem de José, enquanto o de Lucas segue a linhagem de Maria, embora ambos comece com Jesus e depois vá para José, não para Maria.

Dr. A. G. Fruchtenbaum (1992): Observando o relato de Mateus sobre a linhagem de José, Mateus rompeu com a tradição e o costume judaico de duas maneiras: primeiro, ele omitiu nomes; e, em segundo lugar, ele mencionou os nomes das mulheres. As quatro mulheres que ele mencionou foram: Tamar (v. 3); Raabe (v. 5); Rute (v. 6); e, no versículo 6, o pronome ela se refere a Bate-Seba. Além disso, as mulheres que ele mencionou não eram as mais importantes na linhagem do Messias. Por exemplo, ele deixou de fora uma mulher como Sarah, que era muito mais importante. No entanto, há uma razão para nomear esses quatro e não outros. Em primeiro lugar, essas quatro mulheres eram gentias. No início de seu Evangelho, Mateus insinuou um ponto, que ele deixou mais claro mais tarde: embora o propósito principal da vinda de Yeshua fosse para as ovelhas perdidas da Casa de Israel, os gentios também se beneficiariam de Sua vinda. A segunda coisa sobre essas mulheres é que três delas estavam envolvidas em pecados sexuais específicos: uma era culpada de adultério; um era culpado de incesto; e, um era culpado de prostituição. Mais uma vez, Mateus insinuou um ponto que ele deixou claro mais tarde: que Yeshua veio com o propósito de salvar os pecadores. No entanto, estes não são os pontos-chave desta genealogia. Ao traçar essa genealogia, Mateus voltou no tempo e começou com Abraão (v. 2) e a traçou até o rei Davi (v. 6). Dos muitos filhos de Davi, ele escolheu um, Salomão (v. 6), e traçou a linha até o versículo 11: ... e Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo da deportação para a Babilônia. Jeconias fazia parte da linhagem de José, um ponto que será crucial. Então, no versículo 12, Mateus pegou Jeconias e o rastreou até José (v. 16), que era o padrasto de Jesus. Segundo Mateus, José era descendente direto de Davi por meio de Salomão, mas também por meio de Jeconias. Isso sendo verdade, significa que José não era o herdeiro aparente do trono de Davi. Isso é evidente em Jeremias 22:24-30: Vivo eu, diz o Senhor, que ainda que Conias, filho de Jeoiaquim, rei de Judá, fosse o selo da minha mão direita, dali te arrancaria; e te entregarei na mão dos que procuram a tua vida, e na mão dos que temes, sim, na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia, e na mão dos caldeus. E eu te lançarei fora, e a tua mãe que te deu à luz, para outra terra, onde não nasceste; e ali morrereis. Mas para a terra para onde sua alma anseia retornar, para lá eles não voltarão. Este homem, Conias, é um vaso quebrado e desprezado? ele é um vaso em que ninguém se deleita? por que foram lançados fora, ele e sua semente, e lançados na terra que não conhecem? Ó terra, terra, terra, ouça a palavra de Jeová. Assim diz o Senhor: Escrevei a este homem sem filhos, homem que não prosperará nos seus dias; porque nunca mais um homem de sua semente prosperará, sentando-se no trono de Davi e governando em Judá. O nome Conias é uma forma abreviada de Jeconias. Por causa do tipo de homem que ele era, Deus pronunciou uma maldição sobre ele nos dias de Jeremias. A maldição tem várias facetas, mas a última é tão significativa que Deus convocou toda a terra para ouvi-la (v. 29). Então, no versículo 30, a maldição é declarada: nenhum descendente de Jeconias jamais terá o direito de se sentar no trono de Davi. Até Jeremias, o primeiro requisito era ser membro da Casa de Davi. Mas com Jeremias, esse requisito foi ainda mais limitado; ainda era preciso ser membro da Casa de Davi, mas separado de Jeconias. José era descendente de Davi, mas também por meio de Jeconias e, portanto, não era o herdeiro aparente do trono de Davi. Se Yeshua fosse o verdadeiro filho de José, Ele também seria desqualificado para sentar-se no trono de Davi. Ele também não poderia reivindicar o direito de sentar-se no trono de Davi em virtude de sua adoção por José, porque José não era o herdeiro aparente do trono de Davi. É por isso que, ao contrário de Lucas, Mateus começou seu Evangelho com a genealogia, apresentou o “problema de Jeconias” e depois o resolveu por meio do nascimento virginal. Lucas não teve esse problema, então Lucas começou seu Evangelho com o nascimento virginal e somente no capítulo 3 ele se preocupou em fornecer uma genealogia. Mas, no que diz respeito à genealogia de Mateus, se Yeshua tivesse sido o filho “verdadeiro” de José, Ele não poderia se tornar rei, nem poderia reivindicar ser rei porque era filho de José por adoção.

A administração da redenção na genealogia de Lucas 3
A. Park (2018): A genealogia no Evangelho de Lucas contém a grande administração da redenção.
Primeiro, esta genealogia traça a origem de Jesus Cristo até Adão. Jesus Cristo está intimamente unido a todos os seres humanos que existiram e existirão desde o início dos tempos até o fim. Isso reafirma que foi para a salvação dos descendentes caídos de Adão que Jesus veio a este mundo. O primeiro homem, Adão, era claramente o filho de Deus criado à Sua imagem, mas foi incapaz de cumprir seu dever por causa da desobediência. No entanto, o único Filho de Deus, Jesus Cristo, veio a este mundo como o último Adão (1 Coríntios 15:45), que redimiu toda a humanidade e abriu o caminho para a salvação eterna por meio da obediência (Romanos 5:12–21 ). Portanto, esta genealogia revela que o próprio Filho de Deus, Jesus Cristo, a representação de Adão, tornou-se o novo começo. A história do pecado e da morte que começou com Adão se transformou na história da vida através do segundo Adão, Jesus Cristo. A vida eterna de Jesus Cristo foi dada a todos os eleitos de Deus. Jesus Cristo é a raiz e a base de nossa fé e vida. Esta é uma verdade misteriosa que nos ensina que todas as coisas que vêm por meio de Jesus Cristo são de Deus e que todas as coisas também serão restauradas a Deus por meio de Jesus Cristo.
Em segundo lugar, o fato de que a genealogia começa com Jesus Cristo e termina com Deus confirma a origem divina de Jesus Cristo (Lucas 3:38).20 O Filho de Deus veio a este mundo para salvar a humanidade caída. Se a genealogia de Jesus terminasse com o primeiro homem, Adão, ainda teríamos permanecido distantes e separados de Deus. No entanto, Jesus Cristo, o mediador (João 14:6; Gl 3:19–20; 1 Tm 2:5; Hb 8:6; 9:15) abraçou toda a humanidade e nos reconciliou com Deus (Ef 2:15–16). ; Colossenses 1:21–22). Nós, que antes estávamos distantes de Deus, agora fomos aproximados pelo sangue de Jesus Cristo (Ef 2:13). Em relação a isso, dirijamos nossa atenção para onde a genealogia é colocada no Evangelho de Lucas. A genealogia é registrada logo após o batismo de Jesus. Porque Jesus não tinha pecado, Ele não precisava ser batizado; no entanto, Ele insistiu veementemente que João Batista O batizasse. A razão para isso era cumprir “toda a justiça” necessária para a redenção da humanidade (Mt 3:15). Embora Jesus não tivesse pecado, Ele foi batizado por vontade própria como pecador para participar do “batismo de arrependimento” em nome de toda a humanidade (Marcos 1:4; João 8:46; Romanos 8:3–4; 2 Coríntios 5:21; Fp 2:8; Hb 2:14; 4:15; 7:26; 1 Pe 2:22; 1 Jo 3:5). Quando Jesus saiu da água durante Seu batismo, ouviu-se uma voz do céu dizendo: “Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo”. Este foi um testemunho claro de que Jesus Cristo é o Filho de Deus (Marcos 1:11; João 1:29–34). O Evangelho de Lucas testemunha a filiação de Jesus através deste evento batismal. Logo em seguida, para
reafirmar este fato, a genealogia ascendente linear foi registrada.
Em terceiro lugar, a genealogia demonstra que Jesus Cristo veio como a semente da mulher para cumprir completamente o convênio de salvação da humanidade. Com relação a isso, Lucas 3:23 declara: “como se supunha, o filho de José”. O povo conhecia Jesus como “filho de José” e “filho de um carpinteiro” (Mt 13:55). No entanto, Ele nasceu de Maria e foi concebido pelo Espírito Santo, o que afirma Seu papel messiânico como semente da mulher. O significado redentor da genealogia de Lucas é sua afirmação da vinda de Jesus Cristo de acordo com as alianças como “o Deus unigênito que está no seio do Pai” (João 1:18) e “na própria natureza de Deus” (Fp 2:6 , NVI). O Ser infinito e eterno assumiu uma forma mortal e morreu na cruz como o sacrifício expiatório pelos pecados da humanidade. Deus, sendo justo e sem pecado, não pode tolerar nem ignorar o pecado. Por isso, Ele fez Jesus Cristo pagar o preço do pecado cometido pela humanidade desde a queda de Adão. Como tal, a genealogia no Evangelho de Lucas está repleta da incrível mensagem de que Deus, que é maior do que todos, está em um relacionamento com a humanidade cujas vidas são relativamente insignificantes e indignas.
de Sua benignidade. Aquele cuja face brilha com a luz da glória que é sete vezes mais brilhante que o sol tornou-se nosso Emanuel (Is 30:26; Mt 17:2), o amigo mais próximo do pecador (Mt 1:23). Isso nos mostra o valor sublime e magnífico dos santos que foram escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo. Além disso, revela-nos o amor ardente e o zelo redentor que Deus tem para com Seus eleitos.
As gerações na genealogia de Jesus Cristo podem ser analisadas de acordo com as três divisões apresentadas em Mateus 1:17. O primeiro período de Abraão a Davi é de 14 gerações; o segundo período de David até a deportação para a Babilônia é de 14 gerações; e o terceiro período após a deportação para a Babilônia até Jesus Cristo é de 14 gerações. O primeiro e o segundo períodos são divididos pela vida do “Rei Davi” e o segundo e o terceiro períodos são divididos pela “deportação para a Babilônia”.
Primeiro Período - 14 Gerações de Abraão a Davi
Este é o período da promessa – o tempo desde o início da história de Israel, que começou com a aliança abraâmica, até o estabelecimento do Reino Unificado de Davi.
Segundo Período — 14 Gerações de Reis, de Davi à Deportação para a Babilônia. O segundo período é de desgraça e humilhação, listando os nomes dos reis até que finalmente a linhagem davídica perdeu seu reinado e o
Israelitas são tragicamente levados como cativos para a Babilônia. No entanto, Deus não esqueceu a aliança que fez com Davi e continuou a dirigir o fluxo da história redentora com Sua soberana graça e misericórdia.
Terceiro Período - 14 Gerações após a Deportação para a Babilônia até Jesus Cristo
O terceiro período foi o tempo de sincero desejo de restauração das dificuldades e desgraças sofridas durante os 70 anos de cativeiro babilônico. Foi também um tempo de grande expectativa pelo Messias, porque
os israelitas ficaram desanimados com o ataque constante das nações gentias quando voltaram do cativeiro e começaram a reconstruir o templo.

O número de gerações omitidas e os nomes das pessoas registradas

A genealogia do Evangelho de Mateus não registra todas as gerações consecutivas; há muitas gerações omitidas na genealogia. Portanto, apenas quatro gerações – Hezron, Ram, Aminadab e Nahshon (Mt 1:3–4) – do período de 430 anos da escravidão no Egito estão registradas na genealogia de Jesus Cristo. Se levarmos em conta que houve dez gerações no período correspondente de Efraim a Josué, podemos ver que muitas gerações foram omitidas desse mesmo período na genealogia de Jesus (1 Cr 7:20–27). O ano em que os israelitas entraram em Canaã foi 1406 aC e o ano em que Davi apareceu na história foi 1010 aC. No entanto, na genealogia de Jesus, apenas quatro pessoas – Salmom, Boaz, Obede e Jessé (Mt 1:5–6) – excluindo Davi, são registradas no período de 396 anos. Conforme discutido, Salmon e Raabe viveram durante a época em que começou a conquista de Canaã, e Boaz e Rute viveram nos últimos anos durante o tempo dos juízes (Rute 1:1; 4:21–22). Em outras palavras, há mais de 300 anos entre Salmon e Boaz. Aqui encontramos um fato chocante: depois que Josué, o líder da conquista, e sua geração passaram, o povo da era dos juízes, que foi um tempo de escuridão espiritual, foi quase totalmente removido da genealogia de Jesus. Ao excluir as pessoas da época dos juízes da genealogia em Mateus 1, Deus claramente reafirma o testemunho da Bíblia sobre o estado das trevas espirituais durante a era dos juízes (Jz 2:7–10; cf. Js 24). :31). As gerações de pessoas cuja fé e devoção a Deus se dissiparam foram totalmente removidas da genealogia de Jesus. Na genealogia de Jesus Cristo, há 14 gerações registradas de Davi a Josias (Mt 1:6–11). Notavelmente, quando comparamos isso com o
genealogia em 1 Crônicas, vemos que três gerações – Acazias, Joás e Amazias – foram omitidas (1 Crônicas 3:11–12). Todos os três estão relacionados de alguma forma com o atroz rei do norte, Acabe, e sua esposa, Jezabel (2 Reis 8:26). A filha de Acabe e Jezabel, Atalia, foi a pessoa que tentou impedir a obra de redenção de Deus, eliminando completamente a semente real por meio da qual o Messias viria (2 Reis 11:1; 2 Cr 22:10). Os três reis, que eram parentes de Atalia, foram retirados da genealogia por terem cometido atos perversos. Isso cumpriu a profecia de Deus por meio de Elias em 1 Reis 21:21, que dizia que Deus traria um desastre sobre Acabe e sua família, de modo que todos os homens da casa de Acabe seriam exterminados. Além disso, mais três gerações foram omitidas da genealogia de Jesus Cristo na época do exílio na Babilônia (Mt 1:11–12; 2 Cr 36:1, 5, 11): Jeoacaz (2 Rs 23:31; 2 Cr 36: 1–2), Jeoiaquim (2Rs 23:36; 2Cr 36:5) e Zedequias (2Rs 24:18; 2Cr 36:11). A genealogia de Jesus Cristo em Mateus 1 passa por muitas reviravoltas com muitas gerações sendo cortadas, depois reconectadas e cortadas novamente. Ao considerar essas pessoas e gerações, podemos entender melhor que não foi uma tarefa simples para Deus enviar Jesus Cristo a este mundo para salvar Seu povo escolhido.

J. A. Limanto (2020): Mateus pretendia a omissão e esta também cumpre o contexto, o gênero e o propósito da genealogia.

L. Sanders (2012): Uma comparação superficial das genealogias de Davi a José mostra que Mateus tem muito menos nomes do que Lucas na genealogia. Particularmente descendendo de Zorobabel, não há nomes suficientes em Mateus para o período de 500 anos representado entre Zorobabel e Jesus. Mas Mateus não está interessado em fornecer aqui uma genealogia completa (ao contrário das cronogenealogias em Gênesis) — ele está interessado apenas em estabelecer a reivindicação de Jesus ao trono, e fornece o suficiente da genealogia para fazê-lo.

GotQuestions: O propósito de uma genealogia é documentar a prova de ancestralidade desde a origem da linha até a pessoa em discussão. Todos os indivíduos não precisam ser incluídos, mas apenas aqueles necessários para estabelecer uma relação descendente. O autor pode abreviar legitimamente uma genealogia para estabelecer um ponto ou torná-lo mais simples. Mateus está correto no material factual para seu propósito, que é documentar a ascendência de Jesus Cristo, o Messias, de Abraão.

A Genealogia em Lucas 3:23-38

A. Fruchtenbaum (1992): Voltando à genealogia de Lucas, ao contrário de Mateus, Lucas seguiu o estrito costume e procedimento judaico no sentido de não mencionar nenhuma mulher e não omitir nomes. A regra contra nomear mulheres em uma genealogia judaica levantaria uma questão: “Se você desejasse traçar a linhagem de uma mulher, mas não pudesse usar o nome dela, como faria isso?” A resposta sob a lei judaica é: “Você usaria o nome do marido dela”. Mas isso levanta outra questão. “Suponha que alguém como Lucas estivesse fazendo uma pesquisa e encontrasse uma genealogia, como ele poderia dizer, olhando a genealogia, se era a de Maria ou a de José, já que, em ambos os casos, o nome de José seria encontrado?” A resposta é bastante simples, mas um problema está em um ponto da gramática inglesa. É considerado uma gramática ruim do inglês usar o artigo definido “o” antes de um nome próprio. No entanto, tanto em grego quanto em hebraico, é bastante permitido. Cada nome na genealogia de Lucas tem o artigo definido “o” na frente dele, exceto um: o nome de José. Alguém lendo o idioma original pode dizer pela falta do “o” que esta não é realmente a linhagem de José, mas a linhagem de sua esposa, Maria.

O Talmud judaico declara: “A família de uma mãe não deve ser chamada de família.” No Antigo Testamento, houve dois casos em que a linhagem de uma mulher foi traçada pelo nome de seu marido: Esdras 2:61 e Neemias 7:63. Não é por acaso que o Talmud judaico se refere a Maria por seu nome judaico, Miriam, e a chama de “a filha de Heli”, assim como José é chamado de filho de Heli no versículo 23. Os rabinos, quando leram esta genealogia, sabia pela falta do “o” que esta não era a genealogia de José, mas a de sua esposa, Miriã ou Maria, e assim se referiu a ela como “a filha de Heli”.

Ao contrário de Mateus, Lucas começou com seu próprio tempo e retrocedeu na história. Ele começou com o nome de José como um substituto de Maria e traçou-o no versículo 31: ... filho de Melea, filho de Menna, filho de Matata, filho de Natã, filho de Davi, ...

De acordo com este versículo, Maria, como José, era descendente de Davi. No entanto, ao contrário de José, Maria era descendente de um dos outros filhos de Davi, Natã. Como resultado, Maria não tinha o sangue de Jeconias correndo em suas veias. Ela era descendente de Davi, além de Jeconias. Visto que Jesus era o verdadeiro filho de Maria, Ele também era descendente de Davi, além de Jeconias. Isso significa que Ele cumpriu o primeiro requisito do Antigo Testamento para a realeza: Ele era um membro da Casa de Davi, além de Jeconias.

No entanto, isso não resolve todo o problema. Neste ponto da história judaica, havia um grande número de outros judeus descendentes de Davi, além de Jeconias e, portanto, Yeshua não foi o único a cumprir o primeiro requisito. Por que Ele deveria ser o rei e nenhum dos outros? A resposta está no segundo requisito do Antigo Testamento: o da nomeação divina, que aparecerá em outra narrativa de nascimento. Mas Yeshua sozinho cumpriu o segundo requisito do Antigo Testamento, o da nomeação divina. Visto que em virtude de Sua Ressurreição Ele agora vive para sempre, Ele não terá sucessores.

A genealogia de Jesus segundo Mateus

A. Fruchtenbaum (2018): Em sua genealogia, Mateus rompe com a tradição e o costume judaico. Ele menciona os nomes de quatro mulheres: Tamar, Raabe, Rute e Bate-Seba (a quem se refere o pronome “ela” no versículo seis). Era contrário à prática judaica nomear mulheres em uma genealogia. O Talmud declara: “A família de uma mãe não deve ser chamada de família”. Mesmo as poucas mulheres que Lucas menciona não eram as mulheres mais proeminentes na genealogia de Yeshua. Ele poderia ter mencionado Sarah, mas não o fez. No entanto, Mateus tem um motivo para citar esses quatro e nenhum outro.

Primeiro, eles eram todos gentios. Isso é óbvio com Tamar, Raabe e Rute. Provavelmente foi o caso de Bate-Seba, visto que seu primeiro marido, Urias, era hitita. Aqui Mateus sugere algo que ele deixa claro mais tarde: que enquanto o propósito principal da vinda de Jesus era salvar as ovelhas perdidas da casa de Israel, os gentios também se beneficiariam com sua vinda. Em segundo lugar, três dessas mulheres eram culpadas de pecados sexuais. Bate-Seba era culpada de adultério, Raabe era culpada de prostituição e Tamar era culpada de incesto. Novamente, Mateus apenas sugere um ponto que ele esclarece mais tarde: que o propósito da vinda do Messias era salvar os pecadores. Embora isso se encaixe no formato da genealogia do Antigo Testamento, não é o ponto principal de Mateus.

A linhagem de José, pai de Jesus

A genealogia de Mateus também rompe com a tradição, pois ele omite nomes. Ele traça a linhagem de José, o padrasto de Jesus, voltando na história e trabalhando em seu próprio tempo. Ele começa traçando a linhagem com Abraão (versículo 2) e continua até Davi (versículo 6). Dentre os muitos filhos de Davi, Salomão é escolhido (versículo 6), e a linha é traçada até o rei Jeconias (versículo 11), um dos últimos reis antes do cativeiro babilônico. De Jeconiah (versículo 12), a linha é traçada para Joseph (versículo 16). José era descendente direto de Davi por meio de Salomão, mas também de Jeconias. O “link de Jeconias” é significativo na genealogia de Mateus por causa da maldição especial pronunciada sobre Jeconias em Jeremias 22:24-30:

Tão certo como eu vivo, declara o SENHOR,
“ainda que Jeconias, filho de Jeoiaquim
rei de Judá eram um anel de sinete à minha direita
mão, mas eu te puxaria...
“É este homem, Jeconias, uma jarra desprezada e quebrada?
Ou ele é um vaso indesejável?
Por que ele e seus descendentes foram lançados fora
e lançados numa terra que não conheciam?
“Ó terra, terra, terra, ouça a palavra do SENHOR!!
“Assim diz o Senhor: ‘Escreve este homem [Jeconias] sem filhos,
Um homem que não prosperará em seus dias;
Pois nenhum homem de sua descendência prosperará
Sentado no trono de Davi, Ou governando novamente em Judá.'
Nenhum descendente de Jeconias teria direito ao trono de Davi. Até Jeremias, o primeiro requisito para a linhagem messiânica era ser da casa de Davi. Com Jeremias, foi ainda mais limitado. Agora, alguém tinha que ser não apenas da casa de Davi, mas também separado de Jeconiah.

José e Jeconias
De acordo com a genealogia de Mateus, José tinha o sangue de Jeconias em suas veias. Ele não estava qualificado para sentar no trono de Davi. Ele não era o herdeiro aparente. Isso também significaria que nenhum filho real de José teria o direito de reivindicar o trono de Davi. Portanto, se Jesus fosse o verdadeiro filho de José, ele teria sido desqualificado para sentar no trono de Davi. Tampouco poderia reivindicar o direito ao trono de Davi em virtude de sua adoção por José, visto que José não era o herdeiro aparente.
O propósito da genealogia de Mateus, então, é mostrar por que Yeshua não poderia ser rei se fosse realmente filho de José. O objetivo não era mostrar a linhagem real. Por esta razão, Mateus inicia seu Evangelho com a genealogia, apresenta o problema de Jeconias e depois prossegue com o relato do nascimento virginal que, do ponto de vista de Mateus, é a solução para o problema de Jeconias. Em resumo, Mateus deduz que se Jesus fosse realmente filho de José, ele não poderia reivindicar sentar-se no trono de Davi por causa da maldição de Jeconiah; mas Jesus não era filho de José, pois nasceu da virgem Miriã (Mateus 1:18-25).
Genealogia de Jesus em Lucas

Ao contrário de Mateus, Lucas segue o estrito procedimento e costume judaico no sentido de que não omite nomes e não menciona mulheres. No entanto, se pelo costume judaico alguém não pudesse mencionar o nome de uma mulher, mas desejasse traçar sua linhagem, como faria isso? Ele usaria o nome de seu marido. (Possíveis precedentes do Antigo Testamento para essa prática são Esdras 2:61 e Neemias 7:63.) Isso levantaria uma segunda questão: se alguém estudasse uma genealogia, como saberia se a genealogia era do marido ou da esposa? , já que em ambos os casos o nome do marido seria usado? A resposta não é difícil; o problema está na língua inglesa.
Em inglês, não é uma boa gramática usar um artigo definido (“the”) antes de um nome próprio (“the” Matthew, “the” Luke, “the” Miriam): no entanto, é perfeitamente permitido na gramática grega. No texto grego da genealogia de Lucas, todos os nomes mencionados têm o artigo definido grego “o”, com uma exceção: o nome de José (Lucas 3:23). Alguém que lesse o original entenderia pelo artigo definido que faltava no nome de Joseph que essa não era realmente a genealogia de Joseph, mas a de sua esposa Miriam.

Além disso, embora muitas traduções de Lucas 3:23 digam: “…sendo supostamente filho de José, filho de Eli…”, por causa da falta do artigo definido grego antes do nome de José, esse mesmo versículo poderia ser traduzido da seguinte forma: “Sendo filho (como se supunha) de José, filho de Heli…”.1 Em outras palavras, o parêntese final poderia ser expandido para que o versículo leia que, embora Yeshua fosse “suposto” ou assumido como descendente de José, ele era realmente o descendente de Heli. Heli era o pai de Miriã. A ausência do nome de Miriam está de acordo com as práticas judaicas em genealogias. O Talmud de Jerusalém reconheceu esta genealogia como sendo a de Miriã e não de José e refere-se a Miriã como filha de Heli (Hagigah 2:2).

Começando com Adão

Também em contraste com Mateus, Lucas inicia sua genealogia com seu próprio tempo e remonta na história até Adão. Chega à família de Davi nos versículos 31-32. No entanto, o filho de Davi envolvido nesta genealogia não é Salomão, mas Natã. Assim como José, Miriã era membro da casa de Davi. Mas ao contrário de José, ela veio do filho de Davi, Natã, não de Salomão. Miriã era membro da casa de Davi, exceto Jeconias. Visto que Jesus era filho de Miriã, ele também era membro da casa de Davi, além de Jeconias.
Desta forma, Jesus cumpriu o requisito bíblico para a realeza. Visto que a genealogia de Lucas não incluía a linhagem de Jeconiah, ele começou seu Evangelho com o nascimento virginal, e só mais tarde, ao descrever o ministério público de Yeshua, registrou sua genealogia.
No entanto, Jesus não era o único membro da casa de Davi além de Jeconias. Havia vários outros descendentes que podiam reivindicar igualdade com Yeshua no trono de Davi, pois eles também não tinham o sangue de Jeconiah em suas veias. Por que Jesus e não um dos outros? Nesse ponto, o segundo requisito bíblico para a realeza, o da designação divina, entra em cena. De todos os membros da casa de Davi, exceto Jeconias, apenas um recebeu a designação divina. Lucas 1:30-33 declara:
E o anjo lhe disse: 'Não tenha medo, Miriam; porque achaste graça diante de Deus. E eis que conceberás em teu ventre, e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Yeshua. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; e Ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó; e Seu reino não terá fim.'
Em que base, então, Jesus poderia reivindicar o trono de Davi? Ele era membro da casa de Davi, exceto Jeconias. Somente ele recebeu a nomeação divina para esse trono: “O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi”.

https://reasonandscience.catsboard.com

Back to top  Message [Page 1 of 1]

Permissions in this forum:
You cannot reply to topics in this forum